Envelhecimento
A sua pele

Envelhecimento

À medida que envelhecemos, a nossa pele fica mais fina, mais seca e mais frágil. Começa a ficar flácida, aparecem as rugas e, por vezes, manchas de idade. Existem muitas causas para isso, algumas intrínsecas ao funcionamento do nosso corpo e algumas decorrentes de fatores externos.

Fatores intrínsecos responsáveis pelo envelhecimento da pele

À medida que envelhecemos produzimos menos células novas e a atividade fibroblástica diminui – os fibroblastos são as células mais comuns do tecido conjuntivo. Uma atividade fibroblástica reduzida significa menos colagénio e elastina na pele, o que se traduz numa menor elasticidade. A diminuição dos níveis de ácido hialurónico também afeta a elasticidade, bem como a capacidade de regeneração da pele. Além disto, a derme fica naturalmente mais fina com a idade e o volume de tecido subcutâneo diminui. É normal que tudo isto ocorra no nosso corpo à medida que envelhecemos. Mas que fatores externos influenciam também este processo?

O papel dos fatores extrínsecos no envelhecimento da pele

Diferentes aspetos das atividades e do comportamento social podem acelerar o processo de envelhecimento da pele. A posição em que costumamos dormir ou as expressões faciais habituais podem afetar a nossa pele. E nada resiste eternamente à lei da gravidade – nem a nossa pele. Mas o principal fator externo é a exposição ao sol, que resulta no que é conhecido como pele fotodanificada: esta é caracterizada por um aumento na secura e na fragilidade, perda de elasticidade, rugas profundas e pigmentação irregular. O consumo excessivo de bebidas alcoólicas ou o tabagismo também podem danificar a pele. Nos fumadores, os pequenos vasos sanguíneos nas camadas mais externas da pele estreitam-se e o fluxo sanguíneo reduzido diminui o fornecimento de oxigénio e nutrientes, que são essenciais para a saúde da pele. Fumar também danifica o colagénio e a elastina – e as expressões faciais repetitivas dos fumadores podem transformar-se em rugas.